Pesquisar
Close this search box.

5 mitos sobre cães e gatos: separando fato de ficção

5 mitos sobre cães e gatos: separando fato de ficção

Aqui abordamos mitos e equívocos comuns sobre cães e gatos, ajudando os leitores a compreender melhor seus amigos de quatro patas.

A adoção é um ato de amor, e às vezes a inexperiência em cuidar de um pet faz com que escutemos conselhos diversos, muitos deles mitos que de tanto serem repetidos acabam virando “verdades”. Vejamos 5 mitos sobre cães e gatos. 

1 – Cães e gatos são inimigos naturais?

De longe esse é o mito mais errado de todos e ainda tem gente que acredita nele. Todo animal é territorialista e defende o seu território por extinto, com garras e dentes. Mas isso não significa que as duas espécies não possam conviver.

Gatos e cães convivem harmoniosamente no mesmo recinto desde que respeitada algumas regra tais como:

  • Cada um deverá ter seu próprio local de dormir
  • Comida e bebida separados, mesmo porque as rações são naturalmente distintas
  • Local de fazer as necessidades longe um do outro
  • Muitos brinquedos para ambas as espécies
  • Muito amor envolvido, sim, carinho e amor igualitários

2 – Mulheres grávidas devem ficar longe de gatos?

Devido a esse mito temos uma taxa muito alta de abandono de felinos quando suas tutoras engravidam e esse é um dos 5 mitos sobre cães e gatos que deveria ser desmistificado.

O maior medo é transmissão da toxoplasmose, mas devemos lembrar que não é o contato com o felino que causa a doença e sim com as fezes do animal se elas estiverem contaminadas. 

“Se o gato é criado em casa, sem acesso à rua, sem contato com fezes contaminadas de animais rurais, não caça ratos e não pega pombos, ele não oferece risco à saúde da gestante”, afirma a médica veterinária da Doctor Vet, Dra. Eliana de Farias.

Dessa forma, mulheres grávidas não precisam parar de conviver com gatos, nem devem manter os gatos longe de seus bebês após o nascimento. Muito pelo contrário. A mãe precisa envolver o gato na formação do ninho do bebê, o que é essencial para uma boa convivência.

3 – Cachorro abanando o rabo quer carinho?

Cuidado, nem sempre o cão abanando o rabo é um pedido de carinho, a tarefa de decifrar isso é mais complexa do que imaginamos.

Evidentemente que ao chega em casa e seu amigão abanar o rabo certamente ele está feliz em te receber, mas se o balançar for frenético o cão pode estar entediado na sua ausência, invista no enriquecimento ambiental.

Mas e se você estiver na rua e um cachorro desconhecido se aproximar abanando o rabo? Muita cautela! Estude os sinais corporais, ele pode estar abanando a cauda por pura ansiedade e um acidente pode acontecer. 

Veja se o cão oferece o dorso para carinho ou se tem o corpo tensionado, se movendo devagar e com cautela. Veja ainda se a cauda fica empinada se movendo para frente e para trás, comumente confundido com o balançar lateralizado que indica felicidade, com esses sinais saia de perto vagarosamente.

E balançando lateralmente ainda temos uma curiosidade, se for para esquerda ele pode estar ansioso ou preocupado, saia de perto. E para a direita indica felicidade e tranquilidade. Isto acontece porque o hemisfério esquerdo (a parte do cérebro associada a sentimentos positivos) controla o lado direito do corpo, segundo a Live Science.

4 – Gatos gostam mais do lar do que dos donos?

Puro folclore! Só existe um meio para desmistificar isso, adote um gato! Você vai entender o tanto que seu bichano é ligado ao tutor.

Pura verdade que gatos são muito mais independentes que cachorros, talvez daí venha a impressão que não ligam para seus papais, mas na verdade é que nos adoram e precisam muito de nossa companhia. 

Ainda assim temos que ter cuidados com o ambiente em que vivem, o enriquecimento ambiental é de suma importância para que o humor do seu gato esteja sempre elevado, bem como alimentação adequada e limpeza diária da caixa de areia. A consequência é a retribuição em forma de carinhos e lambeijos e isso é a prova que os bichanos são apaixonados por nós.

Em conclusão, segundo pesquisas, os gatos têm 13 genes ligados à domesticação, esse número sobe para 41 se falarmos de cães. Os cachorros desde sempre vivem em bandos e seguem um líder, enquanto os gatos sempre foram caçadores individuais. Mais uma vez, talvez essa independência dê a impressão que gatos são bichinhos insensíveis e que não se importam com o tutor.

5 – Todo cachorro sabe nadar?

Esse é um mito grave que pode colocar seu cãozinho em risco. Talvez o mais grave da série 5 mitos sobre cães e gatos.

Os cães têm o instinto de remar quando estão dentro de água, mas isso não previne afogamentos, enquanto temos cães bons nadadores temos outros que, por conta da estrutura física, não conseguem.

A princípio temos raças de excelentes nadadores, como os Golden Retrievers e Labradores e outras de patinhas curtas que não se saem bem, além disso os maiores acidentes acontecem em piscinas onde as bordas são fatais para cães pequenos, ainda mais se a água estiver longe da borda.

Em suma, nunca arremesse seu cachorro dentro de rios, lagos ou piscinas desconhecidos e nem deixe que entre no mar sem supervisão. Do mesmo modo acompanhe ele tal qual faria com uma criança e veja se realmente consegue nadar. Coloque rampas de acesso, cercas e capas na sua piscina e por fim, ensine ele a sair da piscina depois da brincadeira ou em caso de queda.

5 mitos sobre cães e gatos: separando fato de ficção

 Fontes: https://www.livescience.com/45196-why-do-dogs-wag-their-tails.html

Você também pode gostar:

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.